Beijar faz bem para a saúde física e mental

Beijar a pessoa amada é tão bom, não é? O beijo é um gesto prazeroso, carinhoso, de amor e de cumplicidade. Mas você sabia que ele também é um fortíssimo aliado para a nossa saúde e bem-estar? Isso mesmo. O ato de beijar desencadeia reações por todo o corpo, produzindo confiança e unindo ainda mais o casal. 

 Isto ocorre porque a boca possui diversas terminações nervosas que são ativadas durante o beijo. Além disso, beijar aumenta a produção de um hormônio chamado ocitocina, que é popularmente conhecido como hormônio do amor.  

 Porém, beijar também traz vários outros benefícios para a saúde corporal que, muitas vezes, nós nem desconfiamos ou ouvimos falar. Confira a seguir: 

  • Colabora para a queima de calorias. 

Os beijos na boca queimam de duas a seis calorias por minuto, já que uma grande quantidade de músculos faciais trabalham enquanto o beijo está acontecendo. 

 

  • Dribla o estresse. 

A sensação após o beijo é, normalmente, de relaxamento. Isso acontece porque ocorre um declínio dos níveis de cortisol (hormônio do estresse) no corpo. 

 

  • Faz bem para a saúde dental. 

O beijo estimula a produção de saliva, que ajuda a eliminar da boca as bactérias prejudiciais aos dentes, além de reduzir o acúmulo das placas bacterianas.  

 

  • Alivia sintomas alérgicos. 

Você sabia que sintomas de alergias sazonais, como espirros e coriza, podem ser combatidos com beijos? Exatamente. Uma pesquisa feita no Japão com 48 pessoas que apresentavam alergias, mostrou que elas tinham menos proteínas que desencadeiam sintomas alérgicos após beijarem seus companheiros por 30 minutos.  

 

Por todas essas vantagens, aproveite que o dia dos namorados está chegando para dar muitos beijos no seu amor. Assim, além de estarem mais saudáveis, a sensação de prazer, confiança e cumplicidade entre vocês aumentará ainda mais.

Viajar faz bem pra saúde e em casal é melhor ainda

Viajar é um dos prazeres mais agradáveis e únicos da vida, porque nos proporciona conhecer lugares e pessoas diferentes, ter proximidade com outras culturas, explorar locais até então desconhecidos, ter contato com a natureza e viver grandes aventuras.

Mas você sabia que viajar também é algo extremamente positivo para a saúde e para a qualidade de vida? Isso mesmo. Ao viajar, fazemos uma fuga da nossa rotina, que muitas vezes é estressante, e acabamos esquecendo um pouco dos problemas do dia a dia.

Além disso, quando estamos viajando, nossa criatividade fica aguçada, a autoestima é renovada, conseguimos nos adaptar mais facilmente às mudanças, aumentamos nossa capacidade cognitiva e criamos ótimas e lindas lembranças.

Então, imagina ter todos esses benefícios e ainda poder compartilhar os momentos de alegria com a pessoa amada. Viajar em boa companhia é delicioso e poder tornar a viagem ainda mais especial. Porém, se vocês são o tipo de casal que adora romantismo mas não abre mão de aventuras, trouxemos dicas de lugares que unem as duas coisas. Confira abaixo:

  • Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Rio de Janeiro).

Localizado na região serrana do Rio, entre os municípios de Guapimirim, Magé, Petrópolis e Teresópolis, o parque possui diversas atividades ao ar livre como caminhadas, escaladas e travessias, com direito a belas paisagens pelo caminho.

  • Chapada dos Veadeiros (Goiás).

Após se desafiarem pelas trilhas na mata da Chapada dos Veadeiros, vocês serão agraciados com piscinas naturais de águas cristalinas formadas pelas águas que descem por paredões rochosos. Na Chapada também existem dezenas de cidadezinhas que dividem a reserva natural.

  • Fernando de Noronha (Pernambuco).

Claro que este um dos destinos mais conhecidos e românticos para casais apaixonados e aventureiros, que também adoram estar em contato com a natureza. Em Fernando de Noronha, os pombinhos terão a chance de fazer aulas de mergulho, além de nadar com tubarões. Sem contar que aproveitaram algumas das mais belas paisagens e praias do Brasil.

  • Chapada Diamantina (Bahia).

A Chapada Diamantina oferece diversas opções para casais aventureiros. Lá, vocês vão encontrar rios, cachoeiras e grandes formações rochosas. Além disso, o local ainda conta com cidades históricas que recebem os viajantes com muita hospitalidade.

Apaixonados e aventureiros de plantão, não percam tempo e planejem uma viagem inesquecível com o seu companheiro (a). Assim, vocês curtirão juntos diversos lugares incríveis e terão muitos benefícios para a saúde.

Atividades físicas: o que é indicado para cada idade?

A prática de atividades físicas é extremamente benéfica à saúde e deve ser incentivada desde a infância, passando por todas as fases da vida. Este estímulo para as crianças e os adolescentes deve partir da família e ser apoiado pela escola, já que combate problemas de saúde precocemente e favorece a socialização e o desenvolvimento.

Porém, é recomendável que os pequenos pratiquem tipos de exercícios que mais se adequem aos seus gostos e suas habilidades, sem serem pressionados por ótimos resultados. Cada criança tem o seu próprio estilo e precisam ter o lado lúdico estimulado, principalmente na primeira infância.

É importante também procurar um pediatra para saber que atividades são mais indicadas para o seu filho, principalmente, se ele for portador de alguma condição médica. Com os cuidados essenciais, os exercícios físicos só trazem benefícios e são grandes aliados para manter o corpo e a mente saudáveis.

Mas, você sabia que existem modalidades esportivas indicadas para cada faixa etária? Listamos algumas dessas atividades para que você saiba qual é a ideal para o seu filho.

- Até os 2 anos de idade.

Nessa faixa etária é fundamental que os pequenos recebam estímulos para se movimentarem várias vezes ao dia, podendo ser por pequenos períodos de tempo. Rolar no chão, correr, pular e andar são as atividades mais indicadas, porém, as crianças podem ser matriculadas em aulas de natação para bebês. Dessa forma, desenvolvem melhor a respiração e o lado psicomotor.

- 3 a 5 anos.

É nessa época da vida que as crianças começam a se interessar por andar de bicicleta, jogar bola e realizar outras atividades que colaborem para o desenvolvimento da coordenação motora. Incentivar esses exercícios e alguns outros, como natação e dança, é muito importante para o crescimento.

- 6 a 11 anos.

Crianças a partir dos 6 anos de idade podem ser estimuladas a realizar atividades e esportes em dupla ou em grupos. Nesse sentido, são válidos exercícios como tênis, futebol, artes marciais, pingue-pongue, etc. Mas, fique de olho porque o adequado é que essas atividades sejam praticadas por pelo menos uma hora por dia.

- 12 a 17 anos.

Esportes competitivos como basquete, handebol, ginástica olímpica, atletismo e vôlei, por exemplo, estão totalmente liberados nessa fase da vida. Outros exercícios físicos como hidroginástica e andar de bicicleta também são adequados. Porém, preste atenção se seu filho tiver interesse por musculação, já que ela é indicada somente após o estirão de crescimento, que ocorre em diferentes idades, dependendo de cada pessoa.

Não importa qual atividade física ou esporte tenha mais a ver com cada criança ou adolescente. O mais importante é que eles estejam sempre em movimento para se manterem saudáveis e evitarem problemas na fase adulta.

Conheça mitos e verdades sobre atividades físicas

Atualmente a população mundial vem se conscientizando cada vez mais sobre a importância de acrescentar atividades físicas à rotina para manter a saúde em dia e melhorar a qualidade de vida.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), o ideal é que sejam dedicados 150 minutos por semana para a prática de exercícios leves ou moderados, o que equivale a 20 minutos diários. No caso de atividades mais intensas, o recomendado são 75 minutos semanais, ou seja, 10 minutos por dia.

Porém, com o dia-a-dia repleto de compromissos profissionais, estudantis ou afazeres domésticos, as pessoas tendem a deixar de lado atividades que podem ajudá-las a sair do sedentarismo, que é considerado uma das maiores causas de enfermidades cardiovasculares.

Portanto, para conseguir acrescentar exercícios à sua rotina, opte por estratégias que irão colaborar para a integração deles à sua vida. Convidar amigos para esportes em grupo ou para caminhar, buscar locais públicos perto de sua moradia que possibilitem a prática de atividades físicas e escolher ir até o trabalho a pé, caso seja possível, são alguns dos exemplos para você começar essa mudança.

Mas ainda existem muitas confusões em relação aos exercícios físicos, por isso listamos alguns mitos e verdade para que você esclareça todas as dúvidas sobre o assunto.

  • É mais indicado fazer atividades físicas pela manhã.

Mito! Apesar dos exercícios feitos em horários matinais ajudarem a acelerar a perda de peso, o melhor período para se exercitar é aquele que se adequar melhor a sua rotina e te deixar com mais disposição.

  • Quem que tem dores nas costas pode se exercitar normalmente.

Verdade! Geralmente, essas pessoas devem procurar a opinião de médicos especialistas para descobrirem o melhor tipo de atividade física para elas. Dessa forma, não ficam impossibilitadas de se exercitarem e conseguem, ainda, fortalecer a musculatura lombar, o que ajuda a eliminar a dor.

  • Praticar exercícios físicos em jejum ajuda a emagrecer.

Mito! É essencial se alimentar de forma adequada antes realizar qualquer atividade física. O jejum pode ser prejudicial à saúde, dá fraqueza e queda de pressão, além de não colaborar para o emagrecimento.

  • Atividades de alta intensidade trazem mais resultados para o corpo.

Verdade! Exercícios físicos de intensidade maior e em tempos curtos ajudam a emagrecer porque demandam mais energia. Assim, mais calorias são queimadas por minuto.

Banho quente ou frio: o que é mais saudável?

Tomar um banho bem gelado para aliviar o calor durante o verão ou uma ducha de água quentinha para se aquecer do frio no inverno propiciam sensações ótimas e trazem bem-estar. Mas o que é mais saudável para o nosso corpo?

Apesar de ser desconfortável para algumas pessoas, o banho frio é o mais indicado para quem deseja manter o corpo sempre com saúde. Além disso, ele também apresenta benefícios para a pele e para o sistema cardiovascular.

Ainda assim, o banho quente também tem seus pontos fortes e costuma ser mais confortável, dependendo da estação do ano.

Banho frio

  • Ótimo para a pele e os cabelos

A água fria ajuda a manter intacta a camada invisível formada por suor e pelo sebo, que tem função de proteger a pele e os cabelos. A temperatura mais amena contribui ainda para o fechamento dos poros da pele e cutículas dos cabelos, o que garante uma barreira contra impurezas.

  • Melhora a circulação

O banho frio é muito recomendado para quem sofre com dores nas pernas porque requer uma resposta veloz das veias, o que faz com que a circulação melhore no local.

  • Efeito revigorante

Com a água fria a respiração tende a ficar mais ofegante. Dessa forma, mais oxigênio chega ao cérebro e o organismo compreende que precisar ficar mais atento.

Banho quente

  • Relaxamento

A água quente garante a sensação de relaxamento no corpo. Isto ocorre porque os vasos sanguíneos sofrem dilatação e, dessa maneira, o sangue e o oxigênio circulam com mais facilidade.

  • Inimigo do estresse

O banho quente é um inimigo declarado do estresse. A água em temperatura mais elevada ajuda no lado emocional, já que auxilia na diminuição da ansiedade.

  • Reduz a obstrução nasal

O ar mais úmido e em temperatura mais alta durante um banho quente ajuda a reduzir a congestão nasal ao ser inalado, já que facilita a abertura das cavidades do nariz.

Mãe, relaxe e cuide de você

A rotina feminina envolve um universo infinito de compromissos, como a vida profissional, a preocupação com a própria saúde, os afazeres domésticos e os momentos de lazer. Porém, isto se intensifica ainda mais quando a mulher decide ter filhos e dedicar boa parte do tempo à criação e educação dos pequenos.

É nesse instante que muitas delas acabam deixando de lado os interesses pessoais para que tenham mais tempo livre para cuidar das crianças e da família. Mas é importante salientar que as mulheres que são mães precisam reservar momentos para se dedicarem a si mesmas e tornarem seus dias mais produtivos com atividades revigorantes e que levantem a autoestima.

Não pense que para isso seja necessário viajar para sair da rotina ou passar um dia inteiro recebendo massagens em um spa. Claro que este seria o melhor dos mundos, mas muitas mulheres não podem ou não conseguem colocar algo assim em prática. Então, um bom remédio para descansar o corpo e a mente é desprender-se das preocupações diárias com ações simples que ajudam a descontrair, como sair para conversar e rir com os amigos, ler um bom livro e tomar um banho relaxante.

Outras atividades também são muito importantes para ajudar as mamães a se manterem saudáveis, por isso, listamos algumas para que você possa se inspirar e incluir na sua rotina.

  • Assista a séries e filmes que goste. Não há nada melhor do que ficar relaxada no sofá desfrutando de histórias interessantes e que fazem a mente se desconectar um pouco.
  • Pratique exercícios físicos. Além de trazerem sensação de bem-estar e serem ótimos para a sua saúde psicológica, os exercícios ajudam a deixar o corpo mais saudável e resistente.
  • Não esqueça de dar importância à sua vida amorosa e reserve tempo para estar com seu companheiro. Dessa maneira, você fortalece a sua relação de forma leve.
  • Coloque em prática os seus hobbies. Seja cozinhar, dançar, pintar quadros ou desenhar, não deixe de fazer aquilo que sempre gostou apenas pelo fato de ser mãe. Além de tudo, isso inspira os seus filhos a também desenvolverem suas aptidões.

Viva bem apesar da diabetes!

O Brasil é um dos países do mundo com a maior quantidade de pessoas diabéticas. A doença crônica, que atinge mais de 13 milhões de brasileiros, impede que o corpo produza um hormônio chamado insulina ou faz com que não consiga empregar de forma correta a insulina que produz. Este hormônio é extremamente importante, porque controla a quantidade de glicose no sangue.

Portadores de diabetes precisam seguir uma rotina para conseguirem gerenciar de maneira adequada a taxa de glicemia. Dessa forma, reduzem muito os riscos de desenvolver complicações.

Existem dois tipos de diabetes e o tratamento varia entre medicamentos ministrados por via oral ou aplicação de insulina por via injetável, no caso de pacientes insulinodependentes.

Porém, mesmo com os mitos que rondam a doença, é totalmente possível levar uma vida saudável e ativa. Veja dicas de como viver bem apesar da diabetes:

  • Siga uma dieta alimentar balanceada
  • Pratique exercícios físicos regularmente
  • Controle a pressão arterial e os níveis de colesterol e triglicérides
  • Não ingira bebidas alcóolicas em excesso e de estômago vazio
  • Evite se estressar

Além destes cuidados básicos, é fundamental realizar exames periodicamente e ter o acompanhamento de médicos especialistas.

Saiba como se prevenir de doenças comuns do outono

O outono finalmente chegou e trouxe com ele temperaturas mais baixas e mudanças no tempo. Devido a isso, as pessoas tendem a ficar mais próximas e em locais fechados, o que acaba possibilitando a disseminação de infecções transmitidas pelo ar. 

Entre as principais doenças que costumam ocorrer nesta época do ano, estão a gripe e o resfriado, que habitualmente são confundidas. A primeira é ocasionada pelo vírus influenza, enquanto os resfriados são causados por diversos tipos de vírus, como o rinovírus. A gripe é muito contagiosa, podendo ser transmitida pela fala, tosse ou espirro. Já o resfriado é propagado por contato físico e, também, pelo ar.

O que devemos fazer para nos prevenir contra os males trazidos pelo outono?

A melhor forma para se defender da gripe é por meio da vacinação. Apesar da vacina não ser 100% eficaz, ajuda a garantir que os sintomas da doença fiquem mais brandos. A imunização deve ser anual, já que o vírus influenza sofre pequenas mutações.

Existem ainda vacinas que protegem contra pneumonias, otites e meningites. Além disso, recomenda-se evitar aglomerações e locais pouco arejados durante as estações frias do ano.

O ressecamento das vias respiratórias pode causar inflamações e diminuir a produção de secreções com anticorpos, por isso, o ideal manter-se bastante hidratado e ingerir muito líquido. Também é necessário ter uma alimentação equilibrada e praticar exercícios fora dos horários em que há mais poluição atmosférica.

Em casos de alergias, aconselha-se procurar um médico para realizar um tratamento preventivo.

Pesquisa: Vacina da Febre Amarela pode proteger contra Zika

Ao passo que cientistas pelo mundo estão em busca de uma cura para o vírus Zika, pesquisadores do Rio de Janeiro constataram que a resposta pode ser mais simples do que pensávamos: a vacina para a febre amarela.

A pesquisa foi conduzida por dezesseis pesquisadores da UFRJ e da Fundação Oswaldo Cruz, e concluiu que a vacina da febre amarela protegeu camundongos da infecção do vírus em laboratório, reduzindo a carga do vírus no cérebro e prevenindo deficiências neurológicas.

Apesar de publicado, o estudo ainda precisa passar pelo processo de revisão por pares exigido por periódicos científicos, que têm um trâmite demorado. Esse sistema é adotado para disponibilizar rapidamente resultados iniciais de pesquisas à comunidade científica internacional.

A busca pela vacina contra a Zika começou em meados de 2016, quando foi comprovada a chegada da doença no Brasil. Ela, que até então era considerada inofensiva, foi diagnosticada como a causa do surto de bebês que nasciam com microcefalia e malformações neurológicas.

Foi esse surto que levou o Governo Brasileiro e a OMS a decretarem situações de emergência, uma vez que, além dos graves problemas para o bebê, a Zika também é associada ao surgimento da síndrome de Guillain-Barré em adultos.

Vírus similares

A febre amarela e a zika são transmitidas por vírus com estruturas biológicas similares, o que motivou a equipe do Rio a testar a eficácia da vacinação contra a febre amarela sobre o vírus Zika.

Os pesquisadores realizaram experiências com dois grupos de camundongos, um formado por animais saudáveis e o segundo por indivíduos com sistema imune comprometido, mais vulneráveis à disseminação do vírus.

Parte dos roedores foi vacinada contra a febre amarela e outra recebeu somente uma solução salina, sem efeitos imunológicos. Após isto, os dois grupos receberam injeções intracerebrais do vírus da zika, de forma a simular infecções com grande taxa de letalidade.

Depois dos testes, os camundongos que não foram vacinados e estavam mais suscetíveis acabaram morrendo, enquanto os normais desenvolveram sintomas da doença. Porém, entre os vacinados, os mais vulneráveis não morreram e todos apresentaram a carga viral muito reduzida no cérebro.

Etapas seguintes

Após dois anos de pesquisa, a equipe trabalha para compreender os mecanismos de defesa contra o vírus concebido a partir da vacina da febre amarela. O próximo passo será realizar testes em primatas.

Em caso da eficácia ser comprovada para humanos, existiria um grande benefício em poder contar com uma vacina licenciada, utilizada há anos e disponível no mercado, e que poderia ser distribuída na hipótese de um novo surto de infecções.

O estudo foi financiado pela Faperj (Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro), pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), pelo Capes (Ministério da Saúde, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e pela Finep (Financiadora de Estudos e Projetos).

Descubra os sintomas do autismo

O autismo é uma síndrome que gera alterações na capacidade de comunicação, interação social e comportamento da criança. Também provoca dificuldades na fala, bloqueios na forma de expressar ideias e sentimentos, assim como comportamentos incomuns, problemas na hora de interagir e agitação exacerbada.

Alguns dos sinais do autismo surgem por volta dos 2 a 3 anos, que é o período em que a criança tem maior interação e comunicação com pessoas e o ambiente no geral. Porém, alguns casos é possível observar os sintomas desde ainda bebês, como expressões faciais ou a ausência reação aos sons.

Há também como perceber os sintomas em adolescentes e adultos, sendo o isolamento o mais comum deles. Além desse, não olhar nos olhos, agressividade e dificuldade em se adaptar a uma nova rotina.

Vale lembrar que alguns desses sinais não confirmam o autismo, portanto, faz-se necessário a consulta com um especialista para uma avaliação clínica específica. 

Como saber se é autismo

Há alguns graus de autismo, onde você pode perceber sinais leves ou mais graves. Alguns dos sintomas mais comuns são:

  1. Dificuldade na interação social
  • A falta de contato visual
  • Risos e gargalhadas inadequadas ou fora de hora
  • Não gostar de carinho ou afeto
  • Dificuldade em relacionar-se com o outro
  • Repetir sempre as mesmas coisas, brincar sempre com os mesmos brinquedos.
  1. Dificuldade de comunicação
  • A criança sabe falar, mas prefere não falar
  • A criança refere-se a si mesma com a palavra: você
  • Mantém sempre a mesma expressão no rosto e não entende gestos e expressões faciais dos outros;
  • Não atender quando é chamado pelo nome;
  • Olhar com o canto do olho quando sente-se desconfortável;
  • Quando fala a comunicação é monótona e com tom pedante.
  1. Alterações comportamentais
  • Não tem medo de situação perigosas, como atravessar a rua sem olhar para os carros, chegar muito perto dos animais aparentemente perigosos, como cães de grande porte;
  • Ter brincadeiras estranhas, dando funções diferentes aos brinquedos que possui;
  • Aparentemente não sente dor e parece que gosta de se machucar ou de machucar os outros de propósito;
  • Leva o braço de outra pessoa para pegar o objeto que ela deseja;
  • Olha sempre na mesma direção como se estivesse parado no tempo;
  • Fica se balançando para frente e para trás por vários minutos ou horas ou torcer as mãos ou os dedos constantemente;
  • Dificuldade a se adaptar a uma nova rotina ficando agitado
  • Ficar passando a mão em objetos ou ter fixação por água;
  • Ficar extremamente agitado quando está em público ou em ambientes barulhentos.

Em caso de suspeita de qualquer um desses comportamentos, é recomendável a avaliação de um psiquiatra ou médico de confiança.

Por fim, a possibilidade de ter uma vida adulta normal e autônoma varia de acordo com a gravidade dos sintomas e a realização de um tratamento adequado. Porém, o apoio familiar é essencial, principalmente nos casos onde o grau é mais grave e o autista pode depender de outros para atender suas necessidades sociais ou financeiras.