Importância do Aleitamento Materno

O Aleitamento Materno traz inúmeros benefícios ao bebê, a mãe e a sociedade, como um todo. Dentre os benefícios, encontram-se a prevenção de hemorragia e consequente anemia materna, pois a sucção do bebê auxilia na contração uterina, o que também ajuda na diminuição do tamanho do abdômen da mãe. Por isso, pode-se estimular o aleitamento mesmo logo após o nascimento do bebê, ainda na sala de parto.

Vale dizer que o aleitamento é extremamente prático e econômico, uma vez que o leite é produzido pelo próprio organismo, na temperatura correta, o que facilita a vida da mãe que não precisará esquentar mamadeiras, lavar utensílios de cozinha, entre outros.

A amamentação fortalece o sistema imunológico do bebê, protegendo-o contra infecções respiratórias e intestinais, levando-o a ganhar peso, fato que o ajudará a crescer forte.

Muitas mulheres pensam ter o leite fraco, especialmente ao verificarem que nos primeiros dias após o parto sai de seu peito um líquido ralo e claro. Na verdade, este leite chama-se colostro e é importantíssimo para o bebê, pois nele existem inúmeros anticorpos que a mãe passa ao seu filho, protegendo-o contra diversas doenças.

Desde que o médico não contraindique o aleitamento materno, toda mulher pode e deve amamentar o seu bebê até no mínimo o sexto mês de vida. E só a partir deste período, o pediatra orientará a introdução de novos alimentos.

As recomendações mais importantes são que o bebê deve ser amamentado todas as vezes que desejar. A mãe deve permitir que a criança mame até o momento em que sentir o peito vazio ou murcho para, só então, oferecer a outra mama.

É sempre bom lembrar que o bebê deve ser colocado para arrotar, logo após a mamada e, se ele for ficar deitado, deve ser posicionado de lado, pois, caso vomite, não corre o risco de sufocar-se. Sob o colchão do berço pode ser colocado um cobertor, por exemplo, a fim de que a criança, ao deitar-se, fique com a cabeça e o tronco um pouco mais altos que seus membros inferiores, prevenindo assim o refluxo.

O leite humano é um alimento inimitável devido a sua complexa composição e o único que pode ser oferecido direto de mãe para filho. Além de tudo, a amamentação favorece o vínculo mãe-filho e facilita o desenvolvimento emocional, cognitivo e do sistema nervoso.

Computadores, smartphones e outros tipos de tecnologia estão se tornando cada vez mais os melhores amigos da atual geração de jovens e crianças, enquanto a atividade física acaba ficando esquecida. Por isso, o incentivo dos pais pode fazer uma diferença significativa para evitar que o sedentarismo vire um habito.

Além do combate ao sedentarismo, incluir atividades físicas na rotina da criança é fundamental para mantê-la saudável. Além de acelerar o metabolismo, a pratica de exercícios ainda ajuda no rendimento escolar, uma vez que melhora a concentração.

Mas qual a melhor maneira de estimular seu filho a praticar atividades físicas?

 

Apresente diversos tipos de atividades

Ajude seu filho a encontrar um esporte que ele gosta. Existem opções para todos os tipos, dança, contato, esportes com bola, luta, corrida e por aí vai. Quanto mais gostar da atividade, maior a chance do seu pequeno querer continuar.

Mostre para seu filho a importância de se praticar atividade física

Antes de começar, converse com seu filho sobre a necessidade que temos de realizar exercícios regularmente. Mostre também os pontos positivos, tanto no aspecto físico quanto no cerebral e nas relações interpessoais. Então deixe que ele reconheça a importância da atividade física, assim ele terá uma motivação maior.

Pratique alguma atividade junto com a criança

Você é a referência do seu filho para todas as ações dele, por isso ensiná-lo a ter uma vida saudável é muito importante. Às vezes, apenas fazendo alguma atividade na frente dele, treinando, você já está passando a mensagem necessária, imagine então envolver a criança nesse treino.

Não torne a atividade uma tarefa cansativa    

Exercício e atividade física não devem doer. Se isso ocorrer, a criança deve retardar ou tentar uma atividade menos vigorosa. Isso acontece com qualquer exercício, é importante não exagerar.

 

O mais importante é que a criança se divirta enquanto pratica.

E lembrem-se: nunca é tarde para começar!