Coração: algumas situações que o ameaçam

Existem diversas ameaças ocultas ao coração, que vão muito além de pressão alta, colesterol alto. Algumas situações que colocam o sistema cardiovascular em perigo estão escondidas no dia a dia do ser humano.

Algumas ameaças ao coração

Uma situação que atinge ao coração é o bullying no ambiente de trabalho. Para tratar dessa questão é preciso que se identifique essa violência e seus autores, e busquem ajuda.

Poluição Sonora também é um problema que pode afetar o coração. Existe uma relação entre a poluição sonora e o estresse crônico que por sua vez, aumenta a pressão arterial.

Desastres naturais, em geral, comprometem o sistema cardiovascular dos sobreviventes. O ideal é que essas situações sejam evitadas mas quando acontecem, o acompanhamento a um cardiologista se faz necessário com mais frequência.

Mudanças no Clima podem acarretar algumas ameaças ao coração. A dica é se agasalhar bem no inverno e se manter hidratado no verão.

Descongestionantes nasais, são uma ameaça ao coração já que, muitos deles, possuem ativos que obstruem os vasos sanguíneos distribuídos pelo corpo. O ideal é usar aqueles com soro fisiológicos que tem a função de limpar o nariz.

 

Ameaças vinculadas a saúde

No período da gestação, é comum a pré-eclâmpsia, que é caracterizada pelo aumento da pressão arterial materna. A chave é o diagnóstico precoce, para que o tratamento seja feito o mais breve possível.

Pessoas que nasceram prematuras costumam ter mais chance de ter problemas cardíacos.

A combinação do estresse com a ansiedade podem desencadear problemas para dormir que, por sua vez, induz danos ao vasos e músculos cardíacos. Ainda pensando a questão do sono, a apneia também é um problema já que é nada mais, nada menos que a pausa na oxigenação, ou seja, a interrupção do fluxo de oxigênio.

Doenças Auto-imunes são um problema para o coração. Elas se caracterizam quando o sistema imunológico começa a atacar os próprios órgão e tecido. Isso gera um aumento considerável de inflamações que irão, aos poucos, lesar as paredes dos vasos sanguíneos. Contribuindo assim para a formação de trombos e coágulos. Nesse caso, manter a doença sob controle é o mais indicado.

Cuidar da saúde é muito importante, ainda mais quando se trata do coração, por isso, manter uma frequência médica é indicado, para que qualquer indício de doença seja tratado.

Pilates Clínico

O método Pilates consiste num sistema de treino corporal completo, onde o corpo é trabalhado como um todo, desde a musculatura mais profunda à mais periférica. Mexendo não só com a mente mas com o corpo e a respiração.

Sobre o Pilates

Criado no início do século XX, os exercícios que compõem o método Pilates envolvem contrações isotônicas (ou seja, articular) e, principalmente isométrica, com ênfase nos músculos abdominais, glúteos e lombares, que compõem o centro de força.

Este centro de força é responsável pela estabilização estática e dinâmica do corpo. Dessa forma, durante os exercícios, a expiração é associada à contração do diafragma, do transverso abdominal e de outros músculos do corpo.

Princípios básicos do Pilates

O Pilates têm oito princípios básicos, sendo eles:

- concentração

- respiração

- centralização

- controle

- fluidez

- isolamento

- rotina

- precisão

Os exercícios são sempre adaptados às condições da pessoa que está fazendo o exercício e o a dificuldade dos exercícios irá respeitar as características e habilidades individuais.

O método é recomendado para ganho de flexibilidade, de definição corporal e para aumento da saúde. Recentemente, ganhou espaço e popularidade no tratamento de atletas na área de reabilitação. Também é usado no tratamento de desordens neurológicas, dor crônica, problemas ortopédicos e lombalgias.

O que é o Pilates Clínico?

Como citado antes, o método do Pilates está sendo muito usado na reabilitação, o uso para essa causa específica é denominado Pilates Clínico.

Ele é passado por um fisioterapeuta credenciado e consiste numa ferramenta eficaz no processo de reabilitação, apresentando benefícios variados, quando aplicado de acordo com os seus princípios.

Apresenta poucas contraindicações e a maioria não impede a aplicação do método, apenas exige algumas alterações e cuidados, enfatizando que o método seja individualizado.

Terapia: porque devo fazer?

Ainda hoje existe um tabu sobre terapia. Muitas pessoas tem preconceito e acabam fugindo da terapia quando deveriam correr para ela.

O que é a Terapia?

A terapia ou (psicoterapia) é a arte de curar a mente. Consiste em um conjunto de práticas terapêuticas entre o paciente e o psicólogo com o intuito de diminuir sofrimentos e interpretar os eventos e acontecimentos da vida de uma pessoa.

Por conta disso, a terapia é recomendada para todas as pessoas que desejam melhorar aspectos emocionais em sua vida e não só para quem tem algum tipo de transtorno mental.

O terapeuta tem o objetivo de auxiliar o paciente na busca por respostas, fazendo com que esse paciente entenda a causa do surgimento de alguns pensamentos e atitudes. Ele pode ajudar a melhorar a saúde mental, por isso é importante procurar ajuda nos primeiros sinais de sofrimento psicológico, como tristeza e angústia. Muitos esperam chegar ao limite para procurar um profissional, o que não é o ideal.

Em resumo, o papel do psicólogo/terapeuta é facilitar o autoconhecimento do paciente sobre seus medos e barreiras, para que assim, ele consiga ter uma vida mais saudável.

Porque fazer terapia

É fazendo a terapia que o paciente irá se autoconhecer a ponto de encontrar soluções para conflitos internos e melhorar a sua saúde mental. Com a ajuda do terapeuta ele irá encontrar os gatilhos que desencadeiam sentimentos que levam a um sofrimento psicológico.

A terapia é realizada a partir de conversas e abordagens que torna possível a conscientização do passado do paciente, explicando, muitas vezes, o que ele é hoje.

É importante que o paciente vá a um profissional com o qual se identifica e tem confiança, pois isso irá determinar o sucesso do tratamento já que com confiança, o paciente acaba se sentindo melhor e mais confortável para discutir assuntos pessoais.

A psicoterapia ajuda na auto aceitação do paciente com seu estado psíquico.

3 razões para você fazer terapia

Aumentar a autoconfiança: a falta de confiança pode fazer com que muitas pessoas tenham medo do novo (seja uma mudança de cidade, de empregou ou de escola). Isso pode gerar grandes inseguranças que são capazes de se transformar em angústias e ansiedades. Na terapia, serão trabalhadas essas inseguranças, transformando pensamentos negativos em positivos.

Lidar com sentimentos: existem situações que deixam marcas emocionais, como separações e falecimento de um ente querido. Muitos não conseguem superar essas dores e é ai que entra o terapeuta, ele irá ajudar você a conviver com sua história e aproveitar as possibilidades que surgirem.

Conviver com o medo: quem convive com muitos medos e não sabe como lidar com situações do passado pode sofrer muito com isso. Na terapia, depois de algumas sessões você terá mais inteligência e maturidade emocional para lidar com essas barreiras.

Quando procurar ajuda

Como vimos até aqui, a saúde mental é responsável pelos resultados daquilo que uma pessoa vive. Quando a mente não está saudável, podem ser desencadeados vários sentimentos negativos, levando a necessidade de uma ajuda profissional.

Depressão

A depressão provoca profunda tristeza e perda de interesse nas tarefas diárias. Ela é um transtorno de humor que afeta como uma pessoa se sente, pensa e se comporta. Pode ocasionar problemas emocionais e físicos e, em casos graves, pode matar. Por isso, caso sinta algum sintoma suspeito, procure um terapeuta para te ajudar.

Ansiedade

O transtorno de ansiedade pode levar uma pessoa a desenvolver a síndrome do pânico. Ela pode ser o problema central, como pode ser um dos sintomas de uma doença. Por isso, é importante procurar um terapeuta que irá te ajudar com alguns recursos ou te encaminhar a um psiquiatra (que poderá prescrever uma medicação).

Distúrbios alimentares

Os distúrbios alimentares geralmente trazem consequências sérias para o organismo e para a saúde mental. Nesses casos, a terapia ajudará a reduzir comportamentos compulsivos e ajudará o paciente a entender o porquê do desenvolvimento desse distúrbio.

Sinusite: o que é e quais seus sintomas

A sinusite é uma doença que gera bastante dor nos seios da face e costuma ter maior predominância no inverno. Vamos entender o que é a sinusite e quais são os seus sintomas.

Sinusite: o que é?

Sinusite é a inflamação das mucosas dos seios da face, região formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maças do rosto e olhos.

É importante que quem têm sinusite tome alguns cuidados, sendo:

- o mais importante é diluir a secreção para que ela seja eliminada mais facilmente
- em caso de gripes, resfriados e processos alérgicos que possam facilitar o surgimento da doença, beba bastante liquido e pingue de duas a três gotas de solução salina nas narinas.
- inalações com solução salina, soro fisiológico ou vapor quente de água quente ajudam a elimitar as secreções.
- evite ambientes com ar-condicionado, pois além de ressecar as mucosas, também dificultam a drenagem de secreção.
- procure um médico no sinal dos primeiros sintomas. O tratamento inadequado da sinusite pode fazer com que a doença se torne crônica.

Sintomas da sinusite

Existem dois tipos de sinusite, a aguda e a crônica.

Sinusite Aguda

Na sinusite aguda, na maioria dos casos, surge obstrução nasal com presença de secreção amarelada ou esverdeada, as vezes com sangue, que dificulta a respiração. É normal ter dor de cabeça centralizada na área do seio da face mais comprometido (frontal, maxilar, etmoidal ou esfenoidal).

Alguns sintomas são febre, cansaço, coriza, tosse, dores musculares e perda de apetite.

Sinusite Crônica

A sinusite crônica normalmente aparece a noite, aumentando a intensidade quando a pessoa se deita porque a secreção escorre pela parte posterior das fossas nasais e irrita as vias aéreas disparando o mecanismo de tosse.
A dor nos seios da face e a febre, nesses casos, podem estar ausentes.

Alimentação Saudável: alimentos que enganam

Manter uma alimentação saudável e equilibrada faz bem para nosso corpo além de proporcionar bem-estar.

Dicas para ter uma alimentação saudável

A alimentação saudável é fundamental para manter o organismo funcionando bem, evitar doenças e manter o corpo em equilíbrio.

Para que isso aconteça, é importante tomar alguns cuidados, como:

-preferir alimentos frescos
-evitar temperos industrializados
-evitar carnes embutidas
- evitar produtos com alto índice de sódio

Uma dica legal é substituir os lanchinhos industrializados por frutas e oleaginosas (castanhas e nozes, por exemplo), o consumo desses são recomendados para manter a energia.

Outra dica, é ler a embalagem dos produtos que serão consumidos, além de pesquisar a composição do mesmo.

É importante ter atenção nessas informações que vem no rótulo pois muitos alimentos considerados saudáveis, na verdade, estão cheios de sódio, corantes, açúcar, conservantes e gorduras saturadas. É o caso dos sucos de caixinha, barrinhas de cereais, peito de peru, bolachas integrais e temperos prontos.

Vale ressaltar também, que os ingredientes que aparecem primeiro nos rótulos dos produtos são os que estão presentes em maior quantidade.

De acordo com a OMS, a quantidade de açúcar livre não deve passar de 10% do consumo diário de energia de uma pessoa. E, além disso, novos estudos demonstram que a redução para menos de 5% proporciona benefícios ainda maiores para a saúde.

Obesidade

A obesidade é uma das principais complicações da falta de alimentação saudável. Ela é caracterizada pelo excesso de gordura corporal e é considerada fator de risco para doenças cardiovasculares, depressão, hipertensão, diabetes e outras.

Adotando uma mudança de estilo de vida, tendo uma alimentação saudável e equilibrada, se exercitando e com ajuda de um profissional, é possível se manter no peso ideal e com a saúde em dia.

Alergia e Intolerância a Lactose: qual a diferença?

A Alergia a Proteína do Leite de Vaca (APLV) é diferente da Intolerância a Lactose e tem tratamentos diferentes.

Diferença entre Alergia e Intolerância a Lactose

A alergia é uma reação do sistema imunológico à proteína do leite de vaca, também conhecida como APLV. Já a intolerância é a dificuldade do organismo em digerir e absorver o açúcar do leite (lactose) devido à diminuição ou ausência da enzima que digere a lactose.

O diagnóstico da APLV é feito pelo médico, associando alguns sintomas à ingestão do alimento, junto com alguns exames e um teste de provocação oral. O diagnóstico da intolerância a lactose também é feito pelo médico, por meio da observação dos sintomas associado à ingestão do alimento com lactose. Podem ser solicitados alguns exames específicos para confirmar o diagnóstico.

Quais são os sinais e sintomas

Na APLV (alergia) podem aparecer um ou mais sintomas, como: vômitos, cólicas, diarreia ou prisão de ventre, refluxo, dermatite atópica, asma, baixo ganho de peso e mais. Esses sintomas podem ocorrer um minuto ou dias após a ingestão do leite de vaca ou de seus derivados.

Por sua vez, na intolerância a lactose, os sintomas são somente intestinais, ou seja, podem ocorrer gases, cólicas, diarreias, distensão abdominal (inchaço). Esses sintomas ocorrer minutos ou horas após a ingestão do leite de vaca.

Em que idade é mais comum?

A APLV, ou seja, alergia ao leite de vaca é mais comum em crianças, especialmente em bebês. É raro um adulto ter alergia à proteína do leite de vaca.

A intolerância a lactose, ao contrário, é mais comum em adultos e idosos. E pode também ser uma consequência de casos de diarreia prolongada ou doenças inflamatórias intestinais, nesses casos, a intolerância costuma ser temporária.

Boxe: benefícios da prática desse exercício

A prática do boxe proporciona inúmeros benefícios ao corpo e mente de quem o pratica, vamos conferir.

Conheça o boxe

Hoje em dia é um esporte que conquista pessoas de sexo e idade variada. Alguns buscam a realização desta prática para emagrecer, melhorar o condicionamento ou até mesmo para dar uma aliviada no estresse. É um exercício que conquista pessoas de sexo e idade variada.

Principais benefícios do boxe

▪ Ajuda a emagrecer: sendo um treino cardiovascular, não trabalha apenas os membros superiores, mas também os inferiores, resultando grande gasto calórico, que potencializa a queima de gordura.
Lembrando que tudo é um conjunto, logo é necessária a junção do exercício com alimentação saudável.

▪ Diminui o estresse: é o momento ideal para extravasar, além de, por ser uma atividade feita em dupla, melhora o convívio social. Esse exercício é capaz de melhorar a qualidade do sono e estimular o maior consumo de água e uma melhor alimentação.

▪ Melhora o condicionamento físico: foca em exercícios aeróbicos, como: pular corda, fazer abdominais e corridas… esses exercícios são intensos, fazendo com que o coração bata mais rápido, a respiração acelere e eleve o esforço físico de maneira geral. Com o tempo, o condicionamento físico melhora, permitindo que a pessoa tenha mais resistência e possa evoluir no treino.

▪ Melhora a postura e consciência corporal: o treino estimula todos os grupos musculares do corpo, é excelente para aumentar o equilíbrio e a consciência corporal do praticante, o que também contribui para uma postura melhor.

▪ Melhora a autoestima: além de ajudar nas mudanças estéticas, como emagrecimento e fortalecimento muscular, o boxe trabalha a autoconfiança e a disciplina do aluno. Durante as aulas, os alunos também superam suas limitações e contam com o apoio dos seus colegas de turma que os ajudam a ser mais confiantes em diversos âmbitos de suas vidas.

Cuidados a serem tomados

Antes de começar qualquer tipo de prática física, é necessário saber se a pessoa tem algum tipo de lesão, alguma cirurgia, fratura ou qualquer problema que possa potencializar com os movimentos da atividade.

Recomenda-se que o boxe seja conciliado com a musculação para que seja mantido os músculos protegidos de possíveis lesões. Qualquer pessoa que tome os cuidados citados e esteja apta para iniciar qualquer tipo de atividade física está apta ao boxe.

Dermatite: o que é e quais são as causas.

O que é a dermatite e quais as suas causas? Vamos descobrir agora tudo sobre essa doença de pele.

A Dermatite

A dermatite é uma doença inflamatória da pele que gera vermelhidão, coceira e até bolhas, ela não é transmitida por contato direto ou por objetos de uso pessoal. Pode surgir em qualquer idade e atingir qualquer parte do corpo.

A doença tem cura e seu tratamento é feito, na maioria das vezes, por remédios e cremes prescritos por um dermatologista.

Tipos de Dermatite

Existem alguns tipos de dermatite, e por mais que tenham algumas semelhanças é importante saber qual seu tipo para tratar de forma correta.

Dermatite de Contato

A dermatite de contato existe em dois tipos: a alérgica e a irritativa.

A alérgica é quando há uma alergia ou sensibilidade a alguma substância que pode desencadear o surgimento da mesma. Os sintomas costumam aparecer entre 1 a 2 dias após o contato com o agente causador da alergia. No geral, a coceira é um dos primeiros sintomas.

Já a dermatite de contato irritante é a mais comum e ocorre quando há irritação da pele após o contato com produtos químicos, ácidos, detergentes e etc. Alguns dos sintomas são dor, ardência e coceira.

Dermatite Seborréica

É uma inflamação que causa vermelhidão e escamação na pele. É uma dermatite que muitas vezes é crônica e, por isso, apresenta períodos de melhora e piora dos sintomas.

Dermatite Atópica

Esse é o tipo mais comum e é de caráter crônico. Nos bebês, costuma aparecer nas regiões externas dos braços e pernas. Já em crianças e adultos, costuma aparecer nas dobras do corpo, como joelho e cotovelo.

Causas da Dermatite

Pode surgir por diversos motivos, seja genético, emocional ou por conta de algum agente externo (como o clima frio e a oleosidade da pele).

As causa estão associadas ao tipo de dermatite, logo o tratamento é específico para cada, sendo necessária a ajuda de um dermatologista para acompanhamento.

Hidrate-se: beba mais água.

Não há uma quantidade ideal de água a ser ingerida, para saber o quanto de água você deve beber é necessário levar em consideração fatores como idade, peso, quantidade de atividade física que realiza, clima e temperatura de onde vive.

E quando se fala em água, não conta apenas a água pura, mas aquela contida em alimentos, chás e sucos.

Beba mais água durante o dia

Em nosso corpo e cérebro há diversos sensores que provocam sede e nos fazem consumir líquidos sempre que a ingestão de água não for suficiente para repor a água que utilizamos ou eliminamos. Por isso, é fundamental atentar-se para os primeiros sinais de sede e satisfazer essa necessidade logo que possível.

Não é saudável substituir a ingestão de água por bebidas como refrigerantes e bebidas açucaradas. Principalmente quando se é criança.

Como tomar mais água?

Veja algumas dicas para ajudar quem não gosta ou tem dificuldade de beber água:

▪ Beba água temperada

Para quem não é muito fã do gosto da água, a água “temperada” ou aromatizada com rodelas de limão ou folhas de hortelã é a melhor opção. Para dar sabor, pode-se usar também abacaxi, canela em pau, gengibre, e diversas outras opções

▪ Ande com uma garrafinha

Ter sempre uma garrafinha de água fresca a disposição facilita com que se lembre de ingerir mais água.

▪ Tome mais chá e café

Faz parte da cultura alimentar do brasileiro o consumo de café e chá, que são boas fontes de líquido. Entretanto, neste caso, convém não adicionar açúcar ou, pelo menos, reduzir a quantidade ao mínimo.

▪ Coma mais frutas e verduras

A maioria dos alimentos in natura têm alto conteúdo de água. O leite e a maior parte das frutas contêm entre 80% e 90% de água. Verduras e legumes cozidos ou na forma de saladas costumam ter mais do que 90% do seu peso em água. Após o cozimento, macarrão, batata ou mandioca têm cerca de 70% de água. Um prato de feijão com arroz é constituído de dois terços de água. Quando a alimentação é baseada nesses alimentos e preparações, é usual que forneçam cerca de metade da água que precisamos ingerir ao dia.

▪ Tome um copo antes das refeições

Antes do café da manhã, dos lanches, do almoço e do jantar, tome um copo de água. Essa é uma estratégia indicada para os esquecidos, que assim podem garantir a ingestão de alguns copos de água por dia.

▪ Conte com a ajuda dos aplicativos

Para facilitar a vida de quem esquece de beber água ao longo do dia, uma outra opção é baixar aplicativos de celular que enviam avisos sonoros ou lembretes, e também ajudam a controlar a quantidade de água ingerida diariamente.

Apneia do Sono

Quem ronca e costuma acordar com sensação de cansaço pode ser vítima da apneia do sono.

Quase todo ser humano para de respirar por alguns segundos em certo momento do sono sem que ocorra nenhum tipo de dano.
Na maioria das vezes isso ocorre porque as vias aéreas ficam obstruídas e a passagem de ar é dificultada. Se essa pausa na respiração começa a ocorrer mais que ‘normal’ pode ser que a pessoa sofra de Apneia do Sono (SAOS), um problema que pode ter consequências negativas não só para o bem-estar como para a saúde no geral. É uma síndrome mais comum em adultos, homens e obesos.

Possíveis complicações da Apneia do Sono

A apneia do sono pode prejudicar não só a oxigenação como causar cansaço e sonolência, falta de produtividade e até perda de libido.
Isso porque, sem perceber, a pessoa acaba acordando diversas vezes durante a noite por conta dessas interrupções de oxigenação. A longo prazo as complicações são mais sérias, podendo levar a um aumento de risco de hipertensão, diabetes, depressão, doença arterial coronariana e até morte por infarto ou derrame. É importante observar que quem ronca alto ou sofre de cansaço e sonolência diurnos sem razão aparente deve consultar um profissional de saúde.